Educação

Com testagem de profissionais da educação, SME provoca aglomerações e propicia contágio

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

As longas filas que surgiram nos Centros Educacionais Unificados (CEUs) se tornaram mais um ambiente propício à contaminação por Covid-19 desde segunda-feira (5/4), quando a Secretaria Municipal de Educação começou a realizar exames sorológicos em seus servidores.

Em live promovida no mesmo dia pelos parlamentares do PSOL Carlos Giannazi (deputado estadual) e Celso Giannazi (vereador), o vice-presidente do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindsep), João Gabriel Buonavita, afirmou que essa testagem é um engodo, uma vez que não está ancorada em uma estratégia de rastreamento de casos para a detecção e isolamento dos infectados.

Por isso, restará apenas o saldo negativo da ação: os presumíveis contágios gerados pela movimentação de milhares de trabalhadores no transporte público, pelas horas de fila sem condições de distanciamento e pelo atendimento em locais pouco arejados. O Sindsep também critica o uso do teste sorológico, que, diferentemente do PCR, não detecta a presença do vírus, mas identifica quem já se contaminou e produziu anticorpos (embora isso não signifique imunidade).

Segundo a supervisora de ensino Luciene Cavalcante, a Secretaria Municipal da Saúde não foi previamente notificada da ação, por isso se recusou a promover a testagem, alegando falta de meios para um atendimento adequado. Assim, o secretário da Educação, Fernando Padula, assumiu para si a organização. “E deu no que nós assistimos”, relatou.

“Temos de unir nossas forças contra o genocídio que está havendo na educação”, afirmou Carlos Giannazi.

Deixe seu comentário sobre o assunto

Veja outras notícias do mandato