Educação

Ato solene inicia movimento popular em defesa das vítimas de assédio judicial em São Caetano

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Transmitido ao vivo pela Rede Alesp em 10/5, o Ato Solene em Defesa da Liberdade de Expressão e de Manifestação serviu para mostrar às três professoras de São Caetano do Sul, vítimas de assédio judicial, que elas não estão sozinhas. Diversas entidades de classe e movimentos sociais deixaram claro que a prefeitura não conseguirá calar seus opositores ameaçando-os de demissão, ainda mais quando os protestos são em defesa da vida.

Em maio de 2020, a professora da rede municipal Aline Fernandes, então integrante do movimento Servidores em Ação, postou um vídeo orientando os colegas que sofressem assédio a procurar o Ministério Público do Trabalho. Ela passou a sofrer sindicância.

Em fevereiro de 2021, a professora de sociologia Gisele Giampaoli debateu com seus alunos do Colégio Universitário os riscos inerentes à política de retomada das aulas presenciais. Também contra ela foi instaurado um processo administrativo.

No início deste mês, Catarina Troiano, também professora da rede municipal, foi convocada a comparecer ao 1º Distrito Policial do município. Ela é investigada em ação penal privada movida pelo secretário de Educação do município, Fabricio Coutinho, que não gostou de ter sido chamado de “Fabricídio” em uma charge nas redes sociais.

Para o advogado e ex-vereador Horácio Neto, que acompanha os casos, além da luta jurídica, tem de haver a mobilização da sociedade, que já começou com o encontro promovido por Giannazi.

Deixe seu comentário sobre o assunto

Veja outras notícias do mandato