Educação

Liminar em ação civil pública impede implantação do Pecim em escola de Sorocaba

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Uma liminar, obtida na Justiça a partir da mobilização de mães de alunos, impediu que o Programa Escola Cívico-Militar (Pecim) fosse aplicado na Escola Municipal Matheus Maylasky, em Sorocaba. Mesmo tendo caráter provisório, a decisão judicial foi celebrada em 23/6, em live realizada pelos parlamentares do PSOL Carlos Giannazi (deputado estadual) e Celso Giannazi (vereador da capital) e coordenada pela educadora Luciene Cavalcante.

Para a vereadora sorocabana Fernanda Garcia (PSOL), muitas pessoas apoiam o Pecim acreditando que as escolas obterão uma estrutura semelhante à das escolas militares. O que elas não sabem é que essas instituições, vinculadas ao Ministério da Defesa, têm um orçamento que chega a R$ 19 mil por aluno ao ano, três vezes superior às unidades do Pecim. Além disso, a verba adicional não será destinada a melhorias estruturais, mas sim à remuneração extra para os militares da reserva.

A professora da Faculdade de Educação da UnB, Catarina de Almeida Santos, observou que a gestão militar implica a adoção das normativas das corporações. Nesse sentido, ela fez uma distinção entre a obediência hierárquica – que regula o mundo da caserna – e a disciplina, essa uma construção coletiva e horizontal, necessária para a vida em sociedade. “A escola pública tem de ser um espaço que abrigue todas as tribos, toda a diversidade da sociedade brasileira”, observou.

Deixe seu comentário sobre o assunto

Veja outras notícias do mandato