São Paulo tem 96 barragens com risco de colapso

28 de fevereiro de 2019

 

 

 

 

 

 

 

 

Na segunda-feira (25/2) – data que marcou os 30 dias do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho – a Assembleia sediou audiência pública para debater a situação das barragens no Estado. Ao todo, SãoPaulo tem 7.177 barragens, a maior parte (4.563) voltadas para agricultura e pecuária, cerca de mil para o abastecimento urbano e industrial, 110 para hidrelétricas e 69 para rejeitos de mineração, sendo as restantes destinadas a vários fins, como recreação e controle de vazão. Desse total, 69 são classificadas como de risco ou alto risco de colapso, conforme as agências encarregadas de sua fiscalização.

 

O encontro foi protagonizado pelo Movimento dos Atingidos por Barragens, um coletivo nacional criado no final dos anos 1970 por agricultores que tiveram suas terras inundadas. “Minas Gerais cedeu aos interesses das mineradoras e deixou que o desastre de Mariana se repetisse. E nós, aqui em São Paulo, também vamos ficar quietos e esperar a nossa vez?”, questionou o coordenador Ubiratan Dias.

 

Carlos Giannazi destacou que as agências reguladoras não realizam uma fiscalização real, já que são formadas por representantes do poder econômico indicados pelo governo tucano. Por isso, ele ressaltou a importância dos movimentos organizados, que devem denunciar qualquer irregularidade ” e que para isso contam com o apoio dos deputados de oposição.