Educação

Prometida para o início de 2022, readequação da EE Jardim São Bento III ainda não começou

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Em visita a escolas da zona sul de São Paulo, em 7/11, Carlos Giannazi (PSOL) apontou a situação dos alunos da EE Jardim São Bento III como um exemplo da falta de compromisso dos projetos do PSDB com o real incremento da qualidade de ensino.

Situada no distrito do Capão Redondo, a unidade é uma das mais de 100 escolas de lata existentes no Estado. Depois de sofrer atos de vandalismo em meados de 2020, foi provisoriamente desativada, com a Secretaria da Educação e a Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) prometendo a readequação da estrutura. “São quase oito meses e o Estado não tomou nenhuma providência para que a escola volte a funcionar”, acusou o deputado.

Conforme relatou a professora Dora, os 500 alunos da São Bento III foram remanejados provisoriamente para duas outras escolas da região, a EE Afiz Gebara e a EE Maria Jannuzzi Mascari. Isso já está causando sérios problemas, porque a superlotação das salas chegou a um ponto em que tem de ser feito rodízio de alunos e professores, pois não há espaço suficiente para todos.

Para piorar a situação, a EE Maria Jannuzzi está sendo indicada para o Programa Escola Integral (PEI). Se o modelo for de fato instalado, a unidade não poderá mais acolher nem seus próprios alunos, que, de 750, serão reduzidos a menos da metade.

Deixe seu comentário sobre o assunto

Veja outras notícias do mandato