Acompanhe algumas das ações do mandato através de vídeos no YouTube.

06

ABR

Michel Temer recua diante de pressão popular .

05

ABR

Pela valorização dos profissionais do quadro de apoio escolar.

05

ABR

Falta segurança nas escolas públicas de São Paulo! .

Clique aqui para ver outros vídeos

Notícias

20 de março de 2017

 

Com os músicos, a caminho da vitória

 

Contra a cobrança ilegal de anuidade pela Ordem dos Músicos do Brasil

Há anos, o Deputado Estadual Carlos Giannazi luta pela liberdade dos músicos contra a obrigatoriedade de inscrição e pagamento de anuidade à Ordem dos Músicos do Brasil (OMB). Recentemente Justiça de Federal de São Paulo (26ª Vara Cível) deu um novo passo nessa direção e concedeu uma liminar para que os músicos sem adesão à OMB possam se apresentar no SESC, um dos maiores e mais importantes espaços para a música popular brasileira em todo o país.

 

Em 2008, o Deputado já havia entrado na briga pela liberdade dos músicos contra a cobrança ilegal e inconstitucional da OMB, que fere a Lei Estadual 12.547/07 (que desobriga o músico a apresentar a carteira da Ordem dos Músicos do Brasil para trabalhar) e o inciso IX do artigo 5º da Constituição Federal de 1988, que garante a liberdade para o exercício profissional: “ É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.

 

Giannazi se reuniu em 2008 com o Diretor Regional do SESC – SP, Danilo Miranda, pedir o fim da exigência de anuência da OMB nos contratos dos músicos que lá se apresentam. A intervenção de Giannazi reforçou a iniciativa do SESC de entrar na justiça, para poder contratar livremente os músicos.

A conquista final, contudo, virá somente quando o STF julgar procedente a ADPF 183, originada em 2009 por iniciativa do deputado, que interpôs uma representação junto à Procuradoria Geral da República (PGR), contra o assédio da OMB sobre os músicos.

 

Assim como o mandato, a PGR entendeu que a Lei 3.857/60, que impede o livre exercício profissional dos músicos brasileiros, não foi recepcionada pela Constituição Federal de 1988. No STF a demanda recebeu parecer favorável aos músicos e aguarda o seu julgamento final.

 

Preocupado com a demora do Supremo, Giannazi esteve duas vezes em Brasília reunindo-se com os Ministros relatores, Ayres Brito e Teori Zavaschi, para pressionar e pedir urgência no julgamento desta ação, que liberta os músicos da OMB e lhes devolve a liberdade para o exercício de sua profissão.

 

Mas o mandato não parou por aí. Ainda em 2009 propôs dois Projetos de Lei (PL) para libertar músicos da OMB. O PL nº 214/09 veda a exigência de comprovação de inscrição na OMB para expedição de notas contratuais e o PL nº 223/09, que declara livre o exercício da profissão de músico em todo o território paulista.

 

Giannazi acredita e defende que o músico possui liberdade e garantia constitucional para o livre exercício de sua profissão e não pode estar à mercê de uma instituição que não representa os interesses da classe, servindo como verdadeira indústria de cobrança de anuidades. Por isso se mantém ao lado dos músicos e da sua luta para poder trabalhar sem sofrer assédio.

Reunião com o Ministro Teori Zavaschi, em 2013

Giannazi e Ministro Ayres Britto, em 2012

Carlos Giannazi é professor universitário, diretor de escola pública, mestre em Educação e doutor em História (USP). Foi vereador da capital de 2001 a 2007, candidato a prefeito de São Paulo em 2012 e, como deputado estadual, sempre apoiou e participou ativamente das lutas pela melhoria dos serviços públicos de qualidade como Educação, Saúde, Segurança, Meio Ambiente, Transportes, Cultura e Lazer — antes, durante e após as jornadas de junho de 2013. Por isso atua fortemente por mais investimentos nessas áreas, sobretudo na valorização dos servidores que oferecem esses serviços à população.

 

Um dos mais críticos, independentes e combativos deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo, Giannazi fiscaliza o governo diuturnamente e denuncia todas as irregularidades deste ao Ministério Público Estadual, Tribunal de Justiça, Defensoria Pública, Tribunal de Contas do Estado e imprensa. Apresenta projetos de lei, organiza audiências públicas, propõe e apoia lutas sociais dos diversos segmentos da sociedade em todo o estado.

 

Como educador, é uma referência na defesa da escola pública de qualidade e da valorização dos profissionais da Educação.

Gabinete: Av. Pedro Álvares Cabral, 201. Sala  1044/1045.

São Paulo - SP  CEP 04097-900

 

Telefone: 11-3886 6686 / 66 90