Novas placas para Etecs e Fatecs custam dez vezes o preço de mercado

 

 

Carlos Giannazi apresentou no último dia 8/12, representações junto ao Ministério Público Estadual e ao Tribunal de Contas do Estado exigindo que ambos os órgãos façam uma rigorosa investigação em relação a um contrato do Centro Paula Souza para compra de placas de identificação de suas unidades.

 

As placas com o nome das Etecs e Fatecs estão sendo adquiridas por valores entre R$ 19 mil e R$ 25 mil, e devem substituir a identificação já existente. Ocorre que, em uma rápida cotação de preços feita por telefone, a equipe do parlamentar averiguou que o preço de mercado das peças em questão é de no máximo R$ 2 mil.

 

“Em primeiro lugar, há uma inversão de prioridades. No cenário de crise econômica em que vivemos, ouvimos muitas reclamações sobre falta de recursos para investir em equipamentos, na manutenção e ampliação das escolas e na valorização dos profissionais da educação. No entanto, tivemos acesso a esse contrato de R$ 1,4 milhão para a troca de placas de Etecs e Fatecs, cujos prédios já estão devidamente identificados”, alertou o parlamentar.

 

Para Giannazi, o valor dos itens do contrato, superfaturado em mais de dez vezes, “é uma assalto à mão armada os cofres públicos e uma afronta à população”. Por isso apresentou também requerimento à Comissão de Educação da Alesp para convocação da superintendente Laura Laganá, que deverá se explicar. O deputado exige a suspensão imediata do contrato e a punição dos responsáveis com todo o rigor da legislação.