Juízes têm reajuste de 16,4%, mas servidores ficam só com 3,94%

07 de junho de 2019

 

 

Na segunda-feira (3/6), ato solene convocado por Carlos Giannazi marcou o Dia do Escrevente Técnico Judiciário. Houve pouca comemoração. A cerimônia serviu para coordenar as entidades sindicais em suas próximas ações.

 

Um dos temas abordados foi a alegada falta de recursos para recomposição salarial. O índice concedido aos servidores foi de 3,94%, mas a defasagem é de 16,83%. Já os juízes e desembargadores, que têm os maiores vencimentos, tiveram reajuste de 16,4%. Apenas em relação ao subsídio-base dos magistrados ” sem contar auxílios e gratificações “, o impacto orçamentário anual será de R$ 156 milhões.

 

Outra reivindicação dos escreventes é a exigência de nível universitário nos novos concursos, com reenquadramento salarial para os atuais funcionários que cumpram o requisito. A medida está prevista no Projeto de Lei Complementar 3/2018, de Giannazi, que já passou por todas as comissões e está pronto para ser votado. “Só depende da vontade política do presidente do TJ”, afirmou o deputado.

 

Aos aprovados no concurso de 2017, cuja previsão inicial era de 590 vagas, o sindicalista Carlos Alberto Marcos (Alemão) garantiu que atualmente há 3.400 cargos vagos, além de outros cinco mil que surgirão de aposentadorias iminentes. Junto com Luiz Milito e José Gozze, também representantes dos servidores, ele pediu que Giannazi os acompanhasse em reunião do Órgão Especial do TJ, uma vez que eles não são recebidos pelo presidente.

 

Leia mais sobre Servidores do TJ