Frente quer barrar confisco na Previdência estadual

13 de novembro de 2019

 

Lançada na Alesp em 11/11, a Frente Paulista em Defesa dos Serviços Públicos busca unificar a ação das entidades do funcionalismo para barrar a reforma da Previdência estadual. Conforme afirmou o sindicalista José Gozzi, além desse desafio imediato, as entidades também se preparam para atuar junto à Frente Parlamentar Mista do Serviço Público contra a reforma administrativa de Paulo Guedes, que será brevemente enviada ao Congresso Nacional.

 

O evento contou com o apoio de Carlos Giannazi (PSOL), que definiu a reforma da Previdência apresentada pelo governo como um “Sampaprev estadual”. Isso porque, como fez na reforma da Previdência municipal, Doria apenas propôs a retirada de direitos dos servidores. “Não tem nada de reforma, é um confisco que aumenta a contribuição de 11% para 14%, reduzindo salários, aposentadorias e pensões.”

 

Marcos Alcir, da Federação dos Servidores dos Tribunais de Contas, explicou que as pessoas são levadas a crer que o pagamento da dívida pública é algo legítimo. Mas é justamente esse pagamento, que consome 50% do Orçamento, o verdadeiro vilão das contas públicas. “O governo esconde que a dívida surgiu da opção de não tributar as camadas mais ricas. O melhor para a população não seria cobrar impostos sobre as grandes operações financeiras e destinar recursos para a saúde e a educação?”, questionou.

 

Os servidores vão marcar presença na Alesp todas as terças e quartas-feiras como forma de pressionar os parlamentares.