Emenda destina recursos ao Iamspe

 

 

Carlos Giannazi apresentou a Emenda ao Orçamento nº 87, destinando R$ 850 milhões ao Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual. “Sabemos que esse valor não é o suficiente para resolver o problema, mas ajudaria a tirar o Iamspe do sufoco”, argumenta. O deputado explica que a solução definitiva para o financiamento do Iamspe é o Estado apresentar contrapartida equivalente à contribuição de 2% descontada do funcionalismo. “Anualmente nós apresentamos essa proposta, mas a base de Alckmin na Assembleia sempre a obstrui”.

 

Outro problema do Iamspe apontado por Giannazi é sua gestão. Apesar de o instituto ser financiado quase integralmente com o dinheiro dos servidores, seu comando não tem nenhum vínculo com o funcionalismo. “O cargo de superintendente é preenchido por critérios políticos e faz parte do cabide de empregos que o Palácio dos Bandeirantes usa para presentear seus aliados. Trata-se, na prática, de um interventor”, denuncia. Quanto à atuação da Comissão Mista do Iamspe, lamenta que sua função esteja restrita à fiscalização e que as sugestões dos servidores não sejam levadas em consideração.

 

O deputado afirma que, se o Hospital do Servidor Público ainda presta um atendimento de qualidade, isso se deve exclusivamente ao esforço de seus funcionários, sobretudo dos médicos, que trabalham com péssimos salários e em condições precárias. “O sonho de Alckmin é terceirizar o Iamspe, entregá-lo a uma organização social e destruir de vez o hospital que já esteve entre os melhores do país”.