Educação

Em ato solene, professores temporários exigem isonomia em relação aos concursados

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Transmitido ao vivo pela Rede Alesp em 7/6, o Ato Solene em Defesa dos Professores Categoria “O” evidenciou as injustiças a que são submetidos os professores temporários contratados com base na Lei Complementar 1.093/2009.

Conforme explicou Carlos Giannazi (PSOL), os professores enquadrados na categoria “O” recebem em média um salário 25% inferior ao de seus colegas. Além disso, não têm direito à progressão na carreira; têm acesso restrito a direitos (como as faltas abonadas e justificadas); e não podem sequer usar os serviços do Iamspe.

Mais grave que tudo isso, esses docentes não possuem nenhum tipo de estabilidade, tendo de se submeter anualmente a um burocrático e exaustivo processo de atribuição de aulas. “É um contrassenso pedagógico. Quanto mais tempo um professor ficar na mesma escola, maior será o vínculo com a comunidade”, observou o deputado.

A reivindicação dos professores categoria “O” é a realização de um concurso de acesso, tipo de certame que leva em consideração o tempo de serviço já prestado. “Quando há interesse político, as questões jurídicas se resolvem”, pontuou Giannazi.

Deixe seu comentário sobre o assunto

Veja outras notícias do mandato