Conselho luta contra fechamento de salas de EJA

04 de setembro de 2019

 

O Conselho de Educandos e Educadores da EJA (Educação de Jovens e Adultos) e o Observatório da Demanda se reuniram, na segunda-feira (2/9), na Câmara Municipal de São Paulo, para organizar a campanha de matrículas para o próximo ano. Conforme alertou o deputado Carlos Giannazi, há anos vem sendo reduzido o número de escolas que oferecem essa modalidade.

 

Entre as medidas contra o fechamento de salas, o vereador Celso Giannazi pretende apresentar um projeto de lei obrigando o poder público a divulgar amplamente a disponibilidade de vagas. “Atualmente são os professores que, com dinheiro do próprio bolso, fazem faixas e cartazes para informar a comunidade”, lamentou.

 

A reunião também abordou questões de segurança e problemas no uso do bilhete escolar, demandas que foram levadas pelos próprios estudantes. “Pensar em políticas públicas para educação sem considerar a voz de quem de fato vive essa realidade é um absurdo que precisa ser desnaturalizado”, afirmou a educadora Luciene Cavalcante, reiterando o papel do conselho.

 

O encontro contou com apresentação de poesia e performance do coletivo Sarau das Mina, que realiza espetáculos abordando questões de gênero, raciais e sociais. Além de mostrarem sua arte, Jessica Angelin e Yebora Tauane contaram um pouco de sua experiência, o que serviu de inspiração para os estudantes das dez escolas representadas. “Nas periferias, estudar é um privilégio”, resumiu Jessica, que concluiu o ensino médio por meio da EJA.